A GAZETA DE ALGOL

"O morto do necrotério Guaron ressuscitou! Que medo!"

Ferramentas do usuário

Ferramentas do site


jogos:psg2:psg2_guia_018

Guia de Phantasy Star Generation:2

Parte 18: O Destino do Planeta Palma

Satélite Gaila



Satélite Artificial Gaila: Aqui é o Satélite Artificial Gaila. Oposição ao Cérebro-Mãe é um crime muito grave. Vocês devem esperar aqui pela sua pena de morte.

Rolf: Merda… Agora que finalmente conseguirmos liberar as quatro represas, acabamos sendo presos num lugar como esse…! Pensando bem, o Satélite Artificial Gaila é para aprisionar criminosos. É uma fortaleza impenetrável que fica vagando pelo espaço indefinidamente. Não seria exagero dizer que não existe chance alguma de fugirmos daqui… Então, o que vamos fazer? O que devemos fazer?! Realmente não quero terminar num lugar como esse!



Você estará sem itens, sem mesetas, sem nada! Apenas siga a rota até o computador. Quando aparecerem os inimigos, fuja. Aqui a chance de fugir é 99%. No meio do caminho…


Satélite Artificial Gaila: Corrigindo a rota…
DATA 1284 D.W.
HORA 03:21:09. 16
AZIMUTE 128.256
ELEVAÇÃO 33.954…
Sem anomalias no sistema… Seguiremos até o nosso destino.

Rolf: O quê? Parece que o satélite como um todo está sendo levado a algum lugar…!? Entendi… O Satélite Artificial Gaila foi ajustado em órbita para algum lugar! Se isso for verdade, se vasculharmos os controles, poderemos descobrir para onde estamos indo! Talvez ainda tenhamos uma chance! Em todo caso, vamos procurar pela unidade de controle…



Continue o caminho e siga até o computador.


Rolf: Essa não! Este satélite está direcionado ao planeta Palma! E a julgar por essa órbita, não há como evitar uma colisão! Planeja se autodestruir! Merda… Não temos mais tempo! Mesmo que mudemos a órbita, não vai dar tempo de desviar! O que faremos? O que fazer…!

Satélite Artificial Gaila: Sem anomalias no sistema. Falta muito pouco para chegarmos ao nosso destino…



O satélite vai colidir e outra vez Rolf vai ter o mesmo sonho…


Rolf: Ah, novamente o mesmo sonho…

Jovem misteriosa: Me ajude…!



Rolf acorda e se vê numa nave espacial.


Homem desconhecido: Acordou? Você quase se matou junto do satélite artificial Gaila. Seja bem-vindo à nossa nave de batalha Landale! Eu sou Tyler. Eu sou membro dos piratas espaciais, pelo menos de fachada. Um dia eu comecei a duvidar do estilo de vida regulado pelo Cérebro-Mãe… E finalmente fugi de Palma e comecei a vagar pelo universo.

Rolf: É uma nave de guerra bem luxuosa pra quem está apenas “vagando” pelo espaço, não acha? Além do mais, você disse que ser um pirata especial é apenas fachada. Então, o que você é de verdade?

Tyler: Ei, ei, vamos com calma aí. Eu até recuperei a bagagem de vocês. Acho que não faria algum mal umas palavras de agradecimento, não?

Rolf: … Você as recuperou para nós… Obrigado.

Tyler: Sem problemas. Os seus amigos ainda estão se recuperando, mas não há risco de vida. Logo devem acordar.

Rolf: Desculpe… Realmente foi de grande ajuda.

Tyler: Mas… Vocês realmente passaram por uns maus bocados, né? Aqui, vejam isso… Os últimos momentos de Palma!

Rolf: Ú-últimos momentos de Palma?

Tyler: Isso… Infelizmente, isso não é nenhuma brincadeira.



Tyler mostra a explosão do Planeta Palma.


Tyler: Um planeta morreu… Mas felizmente, antes da colisão com Gaila, foi possível evacuar todos os cidadãos em naves espaciais. A essa altura, devem estar rumando em segurança para um novo planeta.

Rolf: Q-Quem exatamente você é?

Tyler: Hmm… Você já ouviu falar da organização clandestina anti-Cérebro-Mãe?

Rolf: … Não me diga que!?

Tyler: Exatamente. Vocês estavam sendo observados por nossa organização. Quando soubemos que vocês tinham sido presos em Gaila, fomos atrás de vocês. Foi realmente uma sorte termos chegado à tempo. No entanto… A destruição de Palma também deve ter sido um forte golpe para o Cérebro-Mãe. Pois era um planeta com uma produtividade alta, e tinha um valor muito grande.

Rolf: O que quer dizer com isso?

Tyler: Executar presos políticos fazendo com que pareça um acidente é uma forma de execução que tem sido bastante usada pelo Cérebro-Mãe. Ou seja… Fazendo Gaila colidir com Palma, ele pretendia executar vocês com uma morte “acidental”. Dessa forma, isso satisfaria o povo e também não alimentaria os movimentos anti-Cérebro-Mãe.

Rolf:

Tyler: No entanto… A velocidade com que Gaila colidiu foi muito mais alta do que a estimada pelo Cérebro-Mãe. Com aquela velocidade, Palma não teve a menor chance. Foi realmente uma pena.

Rolf: Se isso for verdade… Se isso for realmente verdade… O que exatamente é o Cérebro-Mãe?

Tyler: É um vício… É uma coisa cuja existência se tornou indispensável para a humanidade. Pelo menos, é o que eu acho!

Rolf: Realmente, não tenho como negar isso… Mas também não posso concordar completamente. A única coisa que é certa… É que eu jamais poderei perdoar aqueles que brincaram com a vida de Nei! Não importa se foi o Cérebro-Mãe ou qualquer outro!

Tyler: Entendo… Agora entendi o motivo pelo qual a organização estava seguindo você. Quando você souber da verdade, você também vai entender a nossa organização. De qualquer forma, levarei vocês até Paseo. A partir de lá, você será livre pra fazer o que bem entender.

Rolf: Tyler, muito obrigado…

Tyler: … Porém… Se você acreditar na nossa organização e quiser duvidar do Cérebro-Mãe, você deve fazer uma visita ao planeta Dezóris.

Rolf: Dezóris…?

Tyler: Segurem-se firme! Voaremos a toda velocidade até Motávia!



Tyler vai deixar todo mundo em Paseo e, de lá, Rolf vai falar com o Governador.


Governador O'Conner: Ei… Então você realmente consegui voltar a salvo, né? Dessa vez cheguei a achar que fosse o fim!

Rolf: Me desculpe por deixá-lo preocupado!

Governador O'Conner: Tudo bem… Ainda bem que conseguiu voltar! Você deve ser um cara imortal, né?

Rolf: Governador, eu preciso lhe pedir um favor!

Governador O'Conner: Favor? O que seria?

Rolf: Para dizer a verdade… Preciso de uma permissão para usar uma espaçonave!

Governador O'Conner: Espaçonave?

Rolf: Sim. Preciso de qualquer maneira fazer uma investigação em Dezóris.

Governador O'Conner: Entendo… Se é assim, não vejo motivo algum para negar.

Rolf: Governador…

Governador O'Conner: Use a espaçonave que está no terraço. Você pode deixar a operação da nave a cargo do robô. Com isso, você deve conseguir chegar a Dezóris. Mas tome muito cuidado. O Governo… Não, o Cérebro-Mãe fará de tudo para impeder vocês de prosseguirem na sua jornada.

Rolf: Entendido!



Agora, no menu da Torre Central, teremos mais uma opção: “Terraço” (屋上). Acesse-a para ter acesso a Espaçonave. Ela é guiada pelo robô Hapsby e se chama Luveno Engine (uau, altas referências ao jogo anterior). Aparecerão as respostas “Sim” (はい) e “Não” (いいえ). Mas por hora, escolha “Não”! Saia da torre.

Primeiro, vá para casa pegar um bolo. Se você seguiu minha sugestão de deixar Anna e Shir fazendo bolos, provavelmente receberá um Bolo S Estilo Naula (Sケーキ・ナウラ風) que recupera todo seu HP e TP! Pegue no depósito!

Agora saia de casa, vá até a estação de Teletransporte e siga para Piata (ピアタの街). Vá até a loja de utilidades e compre 10… não, 20… não, 30 Hidadutos (忍びのオカリナ)! Parece exagero, mas compre. Eu comprei 30. Com o dinheiro que você ganhou nas represas, provavelmente não será problema comprar isso tudo. Agora volte para Paseo (首都パセオ), salve o jogo e, agora sim, vá até a Torre Central para pegar a espaçonave e escolha a opção “Sim” (はい) para irmos ao planeta Dezóris! Chegando nele, você vai dar de cara com outro labirinto (esse jogo é sinistro!).

amy3.jpg rolf4.jpg

jogos/psg2/psg2_guia_018.txt · Última modificação: 2012/01/31 10:43 por filipeeng

Ferramentas da página